Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Reitoria > Comissão Nacional de Ética em Pesquisa realiza trabalho de reconhecimento no IFS
Início do conteúdo da página
CIÊNCIA

Comissão Nacional de Ética em Pesquisa realiza trabalho de reconhecimento no IFS

Escrito por GERALDO BULHOES BITTENCOURT FILHO | Criado: Quarta, 15 de Maio de 2019, 09h26

dentro 1Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) do IFS foi criado em 2015 e recebeu a primeira renovação em 2018

Duas consultoras da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) estiveram no Instituto Federal de Sergipe (IFS) ontem, 14, para realizar trabalhos educativo e de reconhecimento no Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da instituição. Criado em 2015, esta é a primeira vez que membros do Conep apreciam a estrutura e os trabalhos desenvolvidos pelo órgão que avalia as pesquisas com seres humanos no IFS.

O CEP implantado no IFS é um dos quatro de Sergipe e recebeu em 2018 a sua primeira renovação. Somente no ano passado, o órgão analisou 74 projetos de pesquisa, de instituições públicas ou privadas do estado, que envolveram seres humanos. Com 16 membros, o grupo, em média, utiliza 25 dias para análise de um projeto submetido – cinco a menos que o prazo máximo estipulado pela Conep.  

dentro 2Ludmila Marengo foi uma das consultoras da Conep que veio ao IFS realizar o trabalho de reconhecimento no CEP. Ela mostrou-se entusiasmada com o envolvimento dos membros e com o apoio institucional ao órgão local. “Não é fácil fazer análise ética e por isso devemos valorizar o trabalho dos envolvidos. A existência de um CEP na instituição tem como objetivo realizar o controle social das pesquisas, protegendo o participante de riscos”, explica Ludmila, que veio a Aracaju acompanhada da também consultora Giannina do Espírito Santo.  

No Brasil, atualmente, existem cerca de 830 comitês de ética em pesquisa e o número cresce exponencialmente. No IFS, a valorização do trabalho de análise ética pode ser observada nas publicações científicas institucionais, como a revista Expressão Científica, e nos editais publicados pela Pró-reitoria de Pesquisa e Extensão (Propex), os quais trazem a orientação aos pesquisadores da necessidade de submissão ao CEP das pesquisas que se enquadrem no raio de ação do órgão, ou seja, que envolvam seres humanos.

Chirlaine Cristine Gonçalves, pró-reitora de pesquisa e extensão, já foi membro da Conep. Ela aponta que, desde o seu ingresso na instituição, em 2012, já tinha a intenção de montar o Comitê pelo reconhecimento da importância do IFS possuir a sua própria instância avaliadora. “Fazemos nossas próprias pesquisas e, antes, precisávamos submeter nossos trabalhos aos outros comitês que existiam em Sergipe. Hoje temos o nosso CEP criado e fortalecido”, explica.

dentro 3A reitora Ruth Sales Gama de Andrade também foi membro do CEP. Ela explica que acompanha o trabalho desenvolvido pelo órgão nos 9 campi do IFS e o empenho com o qual os componentes do grupo propagam a importância das atribuições do Comitê aos pesquisadores. “Só com as ações dos membros, o CEP já tinha bastante repercussão. Após a visita das consultoras eu tenho certeza que ainda mais pessoas conhecerão o trabalho desenvolvido aqui”. 

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página