Essa pagina depende do javascript para abrir, favor habilitar o javascript do seu browser!
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Inovação > Química e Alimentos são as áreas que mais depositam patentes no IFS
Início do conteúdo da página
A PRÉVIA

Química e Alimentos são as áreas que mais depositam patentes no IFS

Escrito por ADRINE COUTO CABRAL | Criado: Quinta, 04 de Mai de 2017, 13h34 | Publicado: Quinta, 04 de Mai de 2017, 13h34

NIT é o setor do IFS responsável pela gestão política de inovação tecnológica e de proteção ao conhecimento

DSCN2625 800x600Um alimento, uma fórmula química, um produto. Diversos são os resultados dos projetos de pesquisa desenvolvidos por nossos alunos e professores. Se você faz parte deste grupo de cientistas, o Núcleo de Inovação Tecnológica do IFS (NIT – IFS) deve ser a sua próxima parada. Existente desde 2008, o setor é vinculado à Pró-reitora de Pesquisa e Extensão (Propex) e já teve 21 depósitos de patentes ao longo de sua história. Graças a este número, o IFS está despontando em cenário nacional.

Estamos em 4º lugar no ranking nacional, de acordo com o último levantamento" Ruth Sales Gama de Andrade Pró-reitora de Pesquisa e Extensão

“Estamos em 4º lugar no ranking nacional, de acordo com o último levantamento. Isto se deve à procura dos pesquisadores e do público externo, além da assistência que oferecemos na produção do projeto de patente, comemora Ruth Sales, pró-reitora de Pesquisa e Extensão. De acordo com ela, as áreas que mais possuem demandas são as de alimentos e química.

Produção

Foto SilvanitoSilvanito Alves Barbosa, professor de Química do curso de Petróleo e Gás, do Campus Aracaju, já depositou uma patente. “O produto foi fruto de minha tese de doutorado e, de forma resumida, é uma reação química para produzir um tipo de detergente biológico usado na indústria de petróleo, uma solução melhor às que são apresentadas no mercado”, explica.

Para que o NIT possa registrar uma patente, é necessário primeiramente que o IFS tenha interesse no invento e, assim, é dado o prosseguimento ao registro. “Caso contrário, oferecemos ao inventor toda a orientação necessária para que ele possa fazer o devido registro junto ao INPI”, ressalta Ruth.


Matéria originalmente publicada na edição de abril do jornal A PRÉVIA

Fim do conteúdo da página