Essa pagina depende do javascript para abrir, favor habilitar o javascript do seu browser!
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Lagarto > Campus Lagarto está na final da Olimpíada Nacional em História do Brasil
Início do conteúdo da página
EXCELÊNCIA

Campus Lagarto está na final da Olimpíada Nacional em História do Brasil

Publicado: Quinta, 12 de Novembro de 2020, 12h44

Trio de estudantes se classificou como a melhor equipe de Sergipe e aguarda a publicação do resultado final, que será divulgado no dia 22 de novembro

Por César de Oliveira e Monique Sá

69.800 inscritos. 17.400 equipes. 7 fases. Esse foi o percurso feito pelos estudantes Jacinta Vieira, Luís Calafell e Rógenes Santos, do Campus Lagarto, até a ONHB Imagem 01final da 12ª edição da Olimpíada Nacional em História do Brasil (ONHB), que teve início em setembro deste ano. O trio, que escolheu ser chamado de Maracatu Atômico em homenagem ao cantor pernambucano Chico Science, foi orientado pelo professor de História Anselmo Machado e agora aguarda a avaliação da crônica dissertativa que definirá sua posição entre as 421 equipes finalistas.

O Campus Lagarto iniciou a competição com 47 equipes, das quais cinco chegaram à penúltima fase da olimpíada e uma se classificou para a grande final como a melhor equipe de Sergipe. Cada etapa da ONHB traz questões de múltipla escolha e/ou tarefas discursivas, sendo que as primeiras são conhecidas por não possuírem apenas uma resposta correta, mas sim a mais pertinente, o que torna a olimpíada particularmente desafiadora.

O professor Anselmo conta que a principal estratégia de preparação foram as reuniões periódicas com as equipes a fim de discutir as questões e ONHB Imagem 02fomentar o debate entre os alunos sobre os temas propostos. “A prova privilegia a análise de fontes históricas, músicas, charges, documentos escritos e textos literários”, comentou o docente, que está em sua sexta participação na competição e já chegou à final em 2013, quando recebeu menção honrosa.

Uma olimpíada voltada para as ciências humanas

Quando se fala em olimpíada do conhecimento, geralmente, pensa-se de imediato nas competições voltadas para as disciplinas da área de ciências, exatas eONHB Imagem 03 tecnológicas. Organizada pelo Departamento de História da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), a ONHB surgiu para quebrar esse paradigma e inserir as ciências humanas nesse universo das competições acadêmicas.

O grande objetivo da olimpíada é motivar o debate sobre a história do Brasil entre adolescentes, já que seu público-alvo são os estudantes dos 8º e 9º anos do ensino fundamental ou de qualquer série do ensino médio. “A participação dos alunos do IFS nessa competição é de extrema relevância para a formação cultural deles. A ONHB enriquece o conhecimento e aproxima os jovens do saber historiográfico, além de promover a integração e interação entre estudantes e professores”, ressaltou o professor Anselmo Machado, lembrando que, para a última fase, recebeu o apoio dos professores de língua portuguesa do campus.

Uma das integrantes da Maracatu Atômico, a aluna Jacinta Vieira chama a atenção para a desconstrução de certos valores e lugares-comuns que competições como essa provocam. “Assim como matemática, biologia e física, a história é importante. A partir dela, revemos ideias e posicionamentos, fazemos descobertas e acima de tudo trabalhamos a interdisciplinaridade”, frisou a estudante, que é aluna do 2º ano em Rede de Computadores e participa da ONHB desde 2018.

Ela relata que a experiência dos anos anteriores foi decisiva na preparação de seu trio, que tem apenas um aluno estreante. “Como já conhecíamos ONHB Imagem 04bem o modelo de funcionamento da olimpíada, passamos a estudar um possível padrão de resposta adotado pela Unicamp nas edições passadas e traçamos uma estratégia específica de resolução”, apontou. A equipe agora aguarda ansiosamente pela avaliação da crônica dissertativa que produziu para a final: “Embora neste ano não haja a viagem para Campinas, a ansiedade está enorme. Estamos com boas expectativas e esperamos trazer alguma conquista para o Instituto”, asseverou Jacinta.

Fim do conteúdo da página