Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Estância > Café Literário encerra mês da Consciência Negra no Campus Estância
Início do conteúdo da página
CULTURA

Café Literário encerra mês da Consciência Negra no Campus Estância

Criado: Quinta, 07 de Dezembro de 2017, 10h30 | Publicado: Quinta, 07 de Dezembro de 2017, 10h30 | Última atualização em Quinta, 07 de Dezembro de 2017, 11h08

Evento contou com música, poesia, vídeo, teatro, palestra e apresentação de grupos culturais

DSC 0020O Café Literário encerrou as comemorações do mês Consciência Negra no Instituto Federal de Sergipe (IFS) – Campus Estância, que se entenderam ao logo do mês de novembro. O evento, promovido pela Biblioteca Gilberto Amado, teve como tema ‘Cosi cwé, cosi orixá: salve as folhas!’ e contou com música, poesia, vídeo, teatro, palestra e apresentação de grupos culturais.

DSC 0019Para a coordenadora da biblioteca, Ingrid Fabiana de Jesus Silva, o Café Literário veio contribuir para o fortalecimento da lei 10.939/03 no campus, que estabelece a obrigatoriedade do ensino da história e cultura afro-brasileira nas escolas. “Foi um evento enriquecedor para o currículo dos alunos. Trouxemos o ensino por meio da palestra, a história por meio da apresentação teatral e a cultura por meio da capoeira, da música e da poesia”, enfatizou.

A abertura teve início com a exibição de um vídeo falando das folhas e de sua ligação com a cultura afro. Em seguida se apresentou o grupo de dança teatral Raízes e Religiosidade, da Escola Municipal Laura Cardoso Costa, sob a coordenação do professor Weverton Barbosa Santos. “Os integrantes do grupo fazem parte da comunidade local, o que fortalece os laços do campus com os mesmos”, destacou Ingrid Fabiana.

DSC 0015A programação contou ainda com a palestra da yalorixá Sandra de Oyá, que abordou questões como preconceito, escravidão, cultura afro e seus significados, assim como as folhas e suas propriedades medicinais. Também participaram do evento o aluno Talisson Nascimento Santos, que mostrou sua habilidade com o trompete, o servidor Márcio Rosa, que apresentou um recital de poesias, e o grupo de capoeira do mestre Santos.

DSC 0014“Ter tocado trompete no evento foi maravilhoso, pois me deu a oportunidade de contribuir com uma ação que é nossa e valoriza a consciência negra. Atividades como essa ajudam os meus colegas a adquirir ou complementar seu conhecimento sobre a importância da história e da cultura afro-brasileira”, afirmou Talisson, que cursa o 1º ano em Edificações na modalidade Integrado.

Sobre a data

DSC 0023O 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, passou a ser comemorado no Brasil a partir de 2003 para demarcar a luta dos afro-brasileiros contra o racismo e em defesa dos direitos humanos. A data refere-se à morte de Zumbi dos Palmares, o último líder do Quilombo dos Palmares, o mais importante espaço de resistência e luta contra escravidão no país. O 20 de novembro foi durante 30 anos reivindicado pelo Movimento Negro para reverenciar essa história de luta, em contraposição ao 13 de maio, dia da Abolição da Escravatura.

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página