Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Destaque > Quinze servidores desenvolverão projetos em educação e turismo em Portugal
Início do conteúdo da página
A PARTIR DE MARÇO

Quinze servidores desenvolverão projetos em educação e turismo em Portugal

Escrito por GERALDO BULHOES BITTENCOURT FILHO | Publicado: Terça, 05 de Fevereiro de 2019, 09h11

1Iniciativa é fruto de um termo de cooperação firmado em julho de 2018 com o Instituto Politécnico do Porto (IPP)

Em fevereiro de 2017, o Instituto Federal de Sergipe (IFS) oficializou, em Brasília (DF), cooperação com o Instituto Politécnico do Porto (IPP). Cerca de um ano depois, em julho de 2018, dois professores do IPP vieram para Aracaju assinar o termo de cooperação entre as duas instituições, cujo conteúdo previa o intercâmbio de servidores e estudantes para ampliação nas atividades de pesquisa. Hoje, dia 4 de fevereiro, 3 técnicos administrativos e 12 docentes se reuniram para acertar os últimos detalhes do início da jornada em solo lusitano. O primeiro deles está com viagem prevista para Portugal já para o próximo mês.

DSC 4977No encontro de hoje, foram tratadas questões como flexibilidade nas datas das atividades no IPP, prestação de contas, passaporte diplomático, submissões ao comitê de ética e as férias dos servidores. De acordo com Frederico Chaves Sampaio Júnior, assessor de relações internacionais, o processo de internacionalização é uma das prioridades da nova gestão do IFS e o edital Mobilidade Brasil – Portugal é uma de suas primeiras ações macro. “As prioridades na seleção envolveram as áreas de educação e turismo, que são as que possuímos cursos de pós-graduação em nível de mestrado”, explica o assessor.

Dinâmica

2O projeto terá a duração de dez meses, dos quais um deles deverá ser desenvolvido no IPP.  Dentro do edital lançado pela reitoria do IFS, através da Assessoria de Relações Internacionais (ARI), estava prevista uma ajuda de custo de R$ 15 mil – a qual já foi paga aos servidores - para despesas com passagens aéreas, hospedagem e gastos com passaporte, por exemplo. Após o retorno ao Brasil e a finalização do projeto, a expectativa é a de que técnicos administrativos e docentes se tornem agentes multiplicadores das tecnologias desenvolvidas em parceria com a instituição portuguesa.

Uma das servidoras que está de malas quase prontas para Portugal é Irane Gonçalves da Silva, técnica em assuntos educacionais do Campus Aracaju. O projeto dela tem como objetivo discutir o Conselho de Classe no campus do qual faz parte, analisando especialmente a adequação entre as práticas e as normativas. “Em Portugal, pretendo observar como é feito o processo do IPP semelhante ao nosso Conselho de Classe e absorver as experiências portuguesas nesse sentido”, aponta Irane.

Gamificação

3O termo é novo e está ligado ao universo dos jogos eletrônicos. A gamificação, aplicada no contexto da educação, está relacionada ao uso de técnicas de design de jogos para despertar interesse, aumentar a participação, desenvolver criatividade e autonomia, promover diálogo e resolver situações-problema com os alunos. Os números do setor comprovam o potencial da ferramenta como aliada do ensino: de acordo com uma pesquisa da empresa Spil Games, mais de 1 bilhão de pessoas pelo mundo jogam algum tipo de game – e, desse número, cerca de 700 milhões o fazem pela internet.

O docente do curso de Sistemas de Informação, Gilson Pereira dos Santos, já utiliza a técnica de gamificação, em algum nível, em suas aulas no Campus Lagarto. Ele foi um dos selecionados para desenvolver um projeto no IPP e, durante a experiência, vai buscar se aperfeiçoar na linguagem do estudante do século 21. “A surpervisora que me acompanhará nos dez meses projeto, e estará comigo nos 30 dias em Portugal, já aplica fortemente jogos no aprendizado dos seus alunos”, revela Gilson, que tem a expectativa de intensificar ainda mais a utilização de tecnologias em suas aulas após a experiência de mobilidade acadêmica.

Retorno

DSC 4958A reitora do IFS, Ruth Sales Gama de Andrade, se mostra entusiasmada com a efetivação da parceria com o IPP e destaca que o programa de mobilidade tem como objetivo dar a oportunidade de os servidores se capacitarem em instituições de ponta no cenário internacional. Ela assinala como fundamental, por exemplo, a atualização de técnicos administrativos e docentes acerca das novas metodologias aplicáveis ao ensino, como sala invertida e as ativas, para motivar os estudantes a aprenderem.

“É necessário se aproximar da tecnologia sempre, pois é a língua do estudante que frequenta a nossa instituição atualmente. Esse momento de hoje é histórico e representa o desfecho de uma parceria firmada em 2017 e de um acordo de cooperação que assinamos em julho de 2018. Que os nossos servidores aproveitem o máximo da experiência”, destaca a reitora.

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página