Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias do Aluno > Prestes a criarem produtos educacionais, alunos debatem propriedade intelectual
Início do conteúdo da página
MESTRADO

Prestes a criarem produtos educacionais, alunos debatem propriedade intelectual

Criado: Segunda, 19 de Março de 2018, 16h56

foto principal 1Esclarecimento sobre o tema busca evitar desenvolvimento de projetos que deem origem a produtos já existentes

Um dos diferenciais dos mestrados profissionais em relação aos acadêmicos é a maior possibilidade de desenvolvimento de produtos como trabalho de conclusão curso – os estudantes, na reta final da pós-graduação, podem produzir cartilhas, manuais e softwares educacionais, por exemplo. Como forma de situar os alunos no universo legal da criação tecnológica, o Instituto Federal de Sergipe (IFS) promoveu uma aula expositiva sobre Propriedade Intelectual e Direitos Autorais, no último dia 14, aos discentes do Mestrado Profissional em Educação. Na ocasião, eles também conheceram o Núcleo de Inovação Tecnológica, setor responsável pela aplicação da política de inovação institucional.

Um dos benefícios de levar a discussão sobre Propriedade Intelectual e Direitos Autorais aos alunos concluintes de mestrados profissionais é o de evitar que sejam propostos projetos que deem origem a produtos semelhantes ou iguais a outros já desenvolvidos. Mônica Lanza, coordenadora do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT), acredita ser de suma importância a intermediação do setor para não permitir o surgimento de problemas com outros inventores ou autores em relação a direitos autorais. “Para evitar essa situação, existe o procedimento da busca de anterioridade, no qual é verificado se já existe algo semelhante ao que os mestrandos estão pensando em produzir”, aponta.

Para Mônica Lanza, a relação do NIT com a formação dos mestrandos justifica-se, principalmente, pelo auxílio no processo de prospecção tecnológica, que é a pesquisa sobre as tendências da tecnologia nos vários setores industriais. “Essa ajuda pode facilitar ou até modificar o escopo das pesquisas dos alunos”, aponta a coordenadora, dizendo ainda que o setor pelo qual é responsável está à disposição de professores ou discentes do curso para atividades, informações ou outros serviços que necessitarem.

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página