Essa pagina depende do javascript para abrir, favor habilitar o javascript do seu browser!
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Aracaju > Campus Aracaju reúne representantes de quatro religiões em ato ecumênico
Início do conteúdo da página
CELEBRAÇÃO

Campus Aracaju reúne representantes de quatro religiões em ato ecumênico

Escrito por MARINEIDE BONFIM BASTOS | Criado: Quarta, 04 de Dezembro de 2019, 13h05 | Publicado: Quarta, 04 de Dezembro de 2019, 13h05 | Última atualização em Quarta, 04 de Dezembro de 2019, 13h54

Amor ao próximo foi o tema de reflexão do evento este ano

DSC 0183 b marca aguaA Direção-geral do Instituto Federal de Sergipe (IFS), campus Aracaju, realizou na manhã de sexta-feira, 29 de novembro, um culto ecumênico para celebrar o ano de 2019, evento que marca o início das confraternizações natalinas na instituição. O ato, organizado pela Assessoria de Comunicação Social (Ascom) reuniu, pela segunda vez, representantes das religiões católica, evangélica, espírita e afro-brasileiras. Professores, técnicos administrativos, alunos e colaboradores participaram da celebração que este ano teve como ponto principal o amor ao próximo. DSC 0114 b

O culto foi conduzido pelo pároco da Igreja Nossa Senhora de Fátima, padre Rinaldo Rezende Cardoso; pastor da Assembleia de Deus, Roberto Morais Oliveira; expositora espírita e promotora de justiça do Ministério Público Estadual, Euza Maria Gentil Missano Costa e o bàbalàse olùwanifòn, professor doutor Fernando José Aguiar, do Departamento de Museologia da Universidade Federal de Sergipe. A celebração teve a apresentação do cantor Ewerton Melo e do tecladista Anderson Vitório.

A reitora do IFS, professora Ruth Sales Gama de Andrade, os pró-reitores Ider de Santana Santos (Desenvolvimento Institucional), Alysson Santos Barreto (Ensino), Chirlaine Cristine Gonçalves (Pesquisa e Extensão) e o diretor-geral do campus São Cristóvão, Marco Arlindo Nery, acompanharam o evento.

O diretor-geral do campus Aracaju, professor Elber Ribeiro Gama, enfatizou em seu discurso de abertura que o culto ecumênico é um momento de reflexão, numa busca contínua pela melhoria da convivência laborativa e do clima organizacional por meio da aproximação com os ensinamentos divinos. “Como instituição de educação, o campus Aracaju não só debate a diversidade. Somos uma instituição que pratica a diversidade”, disse.

DIALÓGO INTER-RELIGIOSO

DSC 0098 bNo início de sua fala, a expositora espírita, Euza Missano, destacou a disponibilidade de o campus Aracaju abrir as portas para cada representante religioso falar sobre o amor de Jesus. “Eu considero esse diálogo inter-religioso de fundamental importância nos tempos de hoje porque isso significa alteridade e respeito. Obrigada por oportunizar aos quatro representantes, da mesma cepa, de servirmos ao mestre Jesus nesse momento”.

A promotora de Justiça contou a parábola do Bom Samaritano para fundamentar a importância do tema amor ao próximo. “Com essa mensagem Jesus nos traz a essência maior do amor“, afirmou. Amar o próximo, segundo a expositora espírita, é doar-se em vida pelo bem do outro.DSC 0157 b

“A gente já consegue esse amor incondicional? Não! Estamos gradando ainda, mas um dia conseguiremos e teremos esse amor máximo, do Cristo. A vida não é competição. A vida é maratona. É persistência e coragem, não tem nada a ver com força, e quanto mais vezes a gente parar ao longo do caminho para dar a mão ao próximo, dedicar-se a alguém, mais meritória será a nossa medalha”, declarou.

Ao final de sua exposição, Euza Missano declamou o cordel sobre Respeito a diversidade, do poeta Braulio Bessa. “Eu reforço esse clamor para vocês: Se não der para ser amor que seja pelo menos respeito. Muita paz e um feliz Natal para todos”.

ATO DE AMOR

DSC 0119 bParticipando pela segunda vez do culto ecumênico, o candomblecista Fernando Aguiar disse que através de um ato de amor é possível reconhecer que, para além da diferença, temos algo muito mais forte que nos une em relação a tantas coisas que nos separa.

“Para alguns povos africanos, entre eles os iorubas, eu só existo porque o outro existe, mas o outro nunca vai ser igual a mim, somos diferentes. Pela tradição filosófica ubuntu, eu só existo porque o outro existe e se o outro existe eu não posso abrir mão de quem eu sou, mas eu não posso impor a minha forma de ser ao outro”, justificou.

Para Fernando Aguiar o que define a organização da vida cotidiana e da sociedade é a ideia de familiaridade. Não a família constituída , tradicionalmente, pai, mãe e filhos, mas todos que estão no convívio e ocupam o mesmo território, ainda que sejam diferentes, não falem a mesma língua e cultuem ancestralidades distintas.

“Sejamos honestos e passamos a fazer ao outro o que desejamos que façam com a gente, mas não só entre os nossos iguais, também com os diferentes de cor, credo, concepção cultural, visão de mundo. Sozinho, conflitando, ninguém consegue ser feliz. A essência da felicidade é pautada no respeito, memória e no amor”, disse.

DSC 0142 b marca daguaNOVO MANDAMENTO

Em seu pronunciamento, o pastor Roberto Morais Oliveira agradeceu a experiência de participar, pela primeira vez, do culto ecumênico do campus Aracaju e reportou às palavras de Jesus para falar de amor ao próximo. “ Eu quero fundamentar a minha reflexão naquilo que Jesus falou no Evangelho narrado por São João , no capítulo 13, a partir do versículo 34. Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos ameis”.

Parafraseando este mandamento, o representante da religião evangélica falou que desde as tábuas da lei, quando Deus revelou acerca do amor, de como se deve tratar o próximo, que as pessoas entenderam errado porque encontraram a facilidade em amar quem nos ama e praticar a caridade como um gesto de retribuir a gentileza que recebe. “Fora dessa realidade as pessoas deixam imediatamente de amar, mas Jesus colocou-se como exemplo e disse: Amai-vos uns aos outros como eu vos amei. Esse é o novo mandamento”.

Pastor Roberto ressaltou que até na hora da dor, Jesus fez o bem. “E dizia Jesus já na cruz: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. Só dá amor quem tem amor, isso é fato! Jesus foi tão enfático nisso que também falou da recompensa, de como Deus reconhece gesto de amor para com aqueles que te fazem mal. Jesus disse: ainda que não haja recompensa nessa vida o vosso Pai celestial saberá recompensar na eternidade. Deus não esquecerá jamais do que você faz ao próximo”.

DSC 0176 bAMAR AO PRÓXIMO

Antes de anunciar o Evangelho, padre Rinaldo Rezende relatou a sua emoção em estar no IFS, instituição onde o religioso estudou, de 1992-1995, e concluiu o curso técnico em Química na Escola Técnica Federal de Sergipe. “É bonito saber que esta instituição não está apenas preocupada com o intelectual, a instrução, mas também com encontros de reflexões que nos permite parar e olharmos para além de nós mesmos”.

Citando o capítulo 24, versículos 37 ao 44 do livro de São Mateus, o sacerdote explicou que o Evangelho descreve que Jesus encoraja os fiéis a ficarem atentos, porque não sabeis em que dia virá o Senhor. “Esse texto emblemático, bonito, sobre a vinda do Filho do Homem, que eu escolhi para refletirmos, trata do Cristo que vem não apenas no Natal. Jesus já veio, virá uma segunda vez, como prometeu o próprio Cristo, e vem até nós todos os dias, não só na Eucaristia, mas em momentos como este”, disse.

Ruth SalesDiante do tema amor ao próximo, padre Rinaldo afirmou que só consegue amar o outro quem é feliz. “Só quem é feliz pode amar de coração desprendido, o próximo. Jesus nos chama para a experiência profunda diante desta felicidade. Ele diz: amar a Deus e amar ao próximo. Bonito e importante isso porque Jesus iguala o amor a Deus ao amor ao próximo”, declarou. “Só seremos felizes juntos. Nessa relação de amar, se não for assim, dar a vida pelo outro, de nada vai servir a nossa existência. Será que estamos fazendo valer a nossa vida? Ou será que estamos aqui perdendo tempo da nossa existência com o egoísmo, rancor e tristeza?”, indagou.

LEGADO DE JESUS

Ao discursar, a reitora do IFS, Ruth Sales, parabenizou o diretor-geral do campus Aracaju, pela iniciativa em realizar o ato ecumênico e deixou uma mensagem de fé para a comunidade acadêmica, especialmente para os jovens. “A gente precisa amar, respeitar e olhar para o próximo. Vamos viver em plena alegria. Vocês jovens que por situações diversas se machucam, angustiam-se, acreditem em Deus, no amor e na vida. Que sejamos felizes não Elber Gamaapenas no momento do Natal, que é um momento especial e de grande importância, mas que possamos perpetuar esse sentimento de alegria por toda a nossa vida”.

Ao encerrar o evento, professor Elber Gama lembrou que o maior legado da trajetória de Jesus é o amor ao próximo. “É preciso promover o bem e guardarmos os ensinamento do nosso maior professor, o senhor Jesus. É preciso compartilhar o bem. Faz-se necessário compreender e praticar o único sacrifício que Jesus nos pediu, amarmos uns aos outros”.

Para o diretor-geral do campus Aracaju, as palavras proferidas no ato ecumênico dão ânimo, esperança e confiança. “Reavivemos a vontade de prosseguir na nossa caminhada pedagógica, social e humana. Esse é um momento em que precisamos nos unir como irmãos e pensar como podemos fazer em 2020 melhor que 2019”.

Mais fotos do evento em www.flickr.com/ifsaracaju

 

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página