Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Aracaju > Oficina de Turbantes provoca reflexões sociais nos alunos do campus Aracaju
Início do conteúdo da página
DIVERSIDADE

Oficina de Turbantes provoca reflexões sociais nos alunos do campus Aracaju

Escrito por MARIA DO SOCORRO LIMA | Criado: Segunda, 09 de Janeiro de 2017, 18h42 | Publicado: Segunda, 09 de Janeiro de 2017, 18h42 | Última atualização em Segunda, 09 de Janeiro de 2017, 18h54

Um dos objetivos da oficina buscou sensibilizar os alunos do Campus Aracaju sobre o empoderamento da mulher negra, sua beleza, amor próprio, autoestima e valores sociais democráticos, como representação cultural e empoderamento das mulheres negras

DSC01357 b 800x600A abordagem sobre a valorização da mulher negra foi realizada nesta segunda-feira, no Instituto Federal de Sergipe, no pavilhão das salas S – campus Aracaju, numa perspectiva transversal do tema, pela Oficina dos Turbantes, ministrada por Tatiane Costa, conhecida culturalmente como Negra Luz. O evento teve como objetivo central trabalhar uma possível relação entre a beleza, o modo de se vestir, os cabelos e estratégias de empoderamento social, e foi promovido pela professora doutora Regina Célia Bastos Andrade, por meio da disciplina Educação e Diversidade, no curso técnico integrado de Química.

Na oficina, Tatiane Costa – a Negra Luz – ensinou às alunas a produção de turbantes que, na perspectiva da professora, constituem-se como expressão da cultura negra. Um dos objetivos foi provocar reflexão sobre a beleza das mulheres negras, estimular seu empoderamento social e trabalhar a autoestima, ao valorizar as raízes de sua cultura.Para Negra Luz, “os turbantes fazem parte da história dos negros no Brasil e são instrumentos de promoção da cultura, pois, o que vestimos e o que usamos nos permitem recuperar a memória de nossos ancestrais e, portanto, nossa trajetória”.DSC01326 b 800x600

Segundo a professora Regina Célia Andrade, os cabelos sempre receberam enorme valor nas culturas de matriz africana no Brasil. Conjuntamente com o rosto, os cabelos expressam a pessoa e o grupo a que pertencia. É um sistema de linguagem que pode sinalizar posição social, identidade étnica, origem, religião, idade. Desta forma, a partir dos cabelos, pode-se valorizar memórias ancestrais e, ao mesmo tempo, respeitar-se a cultura, destaca a professora.

Cultura dos “traços finos”

Os objetivos da oficina acompanharam a tendência da discussão sobre gênero, ao problematizar o uso dos turbantes na valorização da mulher negra, uma vez que para alguns estudiosos no assunto, há o que se pode chamar de “cultura dos traços finos”, quando a sociedade indica como padrão de beleza feminina, as características físicas da mulher branca: traços finos, nariz afilado e cabelos lisos.DSC01341 b 800x600

A oficina ministrada no IFS se fundamentou, entre outros, no pensamento de Jarid Arraes, escritora cearense, nascida em Juazeiro do Norte, que vive em São Paulo na atualidade, onde fundou a “Terapia da Escrita”, lugar onde as pessoas aprendem a se sentir mais confortáveis e perder o medo de escrever. Esse exercício é feito, segundo a própria autora, “para quem sente insegurança quando escreve e para quem prefere encarar assuntos difíceis escrevendo. Para quem quer encontrar sua voz literária e para quem quer soltar sua voz interior”, enfatiza a autora.

Em artigo da Revista Forum, online, a escritora Jarid Arraes problematiza a relação entre a valorização da beleza, pelos seus traços e cabelos, e o empoderamento das mulheres negras e seu discurso instiga a uma reflexão sobre o conceito de beleza na sociedade ocidental. “A cultura dos “traços finos” é uma tentativa de “higienização” de todo um grupo racial que já há muitos séculos é retratado como indesejável”. Jarid se refere no artigo a uma política denominada de Higienismo, disseminada no Brasil do século XIX, por meio da qual era defendido o saneamento social e se levava, para tal fim, as questões sociais e de raça.

DSC01319 b 800x600Para a escritora, “a expressão livre e desimpedida da negritude é repudiada e, portanto, sua aparência física também é podada e as mulheres cujos traços não são finos acabam sendo hostilizadas. Aquelas que conseguem enfrentar os parâmetros da indústria da beleza e amam suas características físicas, sem recorrer a modificações corporais como rinoplastias e alisamentos, são verdadeiras guerreiras que resistem fortemente para manter a autoestima”. Foi dessa forma que Negra Luz passou a disseminar a ideia de valorização e autoestima da mulher negra por meio da Oficina de Turbantes.

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página