Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Intimidação sistemática na escola: você deve evitar
Início do conteúdo da página
A PRÉVIA

Intimidação sistemática na escola: você deve evitar

Publicado: Segunda, 10 de Julho de 2017, 15h31

Seja qual for o seu cargo ou vínculo na escola, saiba que evitar e coibir situações vexatórias constantes entre alunos é, sim, função sua

Professor efetivo ou substituto de qualquer disciplina. Técnico administrativo em qualquer nível e área. Terceirizados. Bolsistas. O que eles têm em comum? No âmbito do Instituto Federal de Sergipe, são profissionais de educação. Diante de um cenário em que a intimidação sistemática (bullying) alcança níveis elevados e cada vez mais devastadores na vida de opressor e vítima, é importante não fingir apenas que não é com você. Especialmente quando o ambiente em que está ocorrendo é o escolar.

De acordo com Carla Storino, psicóloga do IFS, o Governo Federal implementou a Lei 13.185/2015 para instituir o Programa de Combate à Intimidação Sistemática, que serve como fundamento para que as instituições de ensino planejem as suas ações. “Após tomarmos conhecimento de alguns casos na escola, agimos. Reunimos profissionais dos campi, aliados a autoridades que atuaram por meio de palestras e montamos, por meio de comissão, uma força-tarefa para instituir o programa no IFS”, ressalta.

Em fase de finalização, o Programa de Combate à intimidação Sistemática do IFS ainda passará pela aprovação do Conselho Superior e, a seguir, serão trabalhadas uma série de atividades nos campi. Porém, você pode – e deve – agir desde agora. “Não somente o professor, mas também os outros profissionais da educação podem identificar a agir em situações de bullying. Em caso de presenciar uma agressão verbal, por exemplo, questionar ao agressor o porquê de ter feito”, orienta a psicóloga.

O principal é ficar atento aos sinais para, a depender do caso, orientar tato vítima como agressor (que pode ter desenvolvido o comportamento devido a alguma opressão a ele) ou mesmo buscar ajuda junto a profissionais como pedagogos e psicólogos. Em hipótese nenhuma replique fomente (concordando com a agressão ou por meio de gestos), nem fofoque sobre e muito menos se omita.

Consequências

De acordo com Vera Trindade, pedagoga do IFS, o programa será benéfico porque vai estimular a boa convivência entre os que fazem a instituição. “Aqui encontramos pessoas de todas as classes, condições físicas, cores de pele, sexo, orientação sexual, posição política e religião. Precisamos conviver da melhor forma possível com todos, em harmonia. Somente assim o processo de ensino e aprendizagem pode fluir melhor”, ressalta.


A intimidação sistemática pode ser classificada como:

VERBAL
insultar, xingar e apelidar pejorativamente diretamente a pessoa.

MORAL
difamar, caluniar, disseminar rumores com outras pessoas.

SEXUAL
assediar, induzir e/ou abusar.

SOCIAL
ignorar, isolar e excluir.

PSICOLÓGICA
perseguir, amedrontar, aterrorizar, intimidar, dominar, manipular, chantagear e infernizar.

FÍSICA
socar, chutar, bater.

MATERIAL
furtar, roubar, destruir pertences de alguém.

VIRTUAL
depreciar, enviar mensagens intrusivas da intimidade, enviar ou adulterar fotos e dados pessoais que resultem em sofrimento ou com o intuito de criar meios de constrangimento psicológico e social.

 

Matéria originalmente publicada na edição de julho do jornal A PRÉVIA

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página