Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Lagarto > Em visita a aldeia indígena, alunos recebem aula de diversidade cultural
Início do conteúdo da página
COMUNIDADES TRADICIONAIS

Em visita a aldeia indígena, alunos recebem aula de diversidade cultural

Escrito por CESAR DE OLIVEIRA SANTOS | Publicado: Segunda, 10 de Junho de 2019, 21h10

Palmeira dos Índios Seleção 3Localizada no município de Palmeira dos Índios (AL), a aldeia da Serra do Amaro está há mais de dois séculos instalada na região

Na última quinta-feira de maio, dia 30, alunos do Instituto Federal de Sergipe - Campus Lagarto tiveram a oportunidade de conhecer a comunidade indígena Serra do Amaro, localizada no município de Palmeira dos Índios (AL). A visita, que está vinculada ao projeto Educar para a Diversidade, teve como objetivo apresentar aos estudantes dos cursos superiores a ancestralidade dos primeiros habitantes do território brasileiro e refletir sobre os diversos valores culturais que são inerentes à nossa formação sócio-histórica.

Foram mais de 300 quilômetros de viagem. Além deles, ao chegarem ao povoado, os alunos e servidores caminharam cerca de uma hora até a sede da aldeia, onde foram recebidos por Larissa Ferro, mestre em Educação pela Universidade Federal de Sergipe e integrante da tribo, que apresentou diversos aspectos da comunidade, a exemplo dos rituais religiosos e da divisão das tarefas domésticas. Palmeira dos Índios Seleção 4

Para Gabriel Santana, aluno do 6º período da licenciatura em Física, todo o trajeto valeu a pena, pois ele considera de extrema relevância que, independente da área de formação, as pessoas tenham essa experiência de contato com culturas diferentes para que possam cultivar o respeito e a valorização pelo Outro. "E para mim, futuro professor, é particularmente importante ter essa bagagem, para poder mediar possíveis situações de conflito em que a tensão se dê pela não aceitação do diferente, seja qual for o aspecto em questão. Compreender criticamente o passado é uma das chaves para mudarmos o futuro", completa o estudante.

A professora Edleuza Araújo, uma das coordenadoras da visita, afirmou que a aldeia está no município desde o século XVIII. Para ela, a visita oportuniza aos alunos a vivência prática de conceitos eminentemente teóricos, como alteridade e diversidade cultural. "Os frutos da visita vão além dos preceitos curriculares: são saberes culturais e sociais passados por pessoas de uma etnia diferente, que se esforçam para manter viva uma tradição secular”, enfatiza a docente, que leciona disciplinas da área pedagógica no campus.

Fim do conteúdo da página